Abrindo-se para os Relacionamentos


Escrever sobre relacionamento amoroso tem me encantado não só por ser um tema presente na vida de todos nós, mas porque existem muitas nuances peculiares a cada encontro.

Para fazer a alquimia do amor você precisa saber qual é a sua “química” que levará para o encontro. Melhor dizendo, antes de você se encontrar com alguém é preciso que ocorra o encontro consigo mesmo. É necessário procurar preencher a sua vida de realizações que envolvam a sua alma em alegria. De posse de si, na presença do seu ‘Eu’, abre-se a possibilidade do companheiro(a) ser um instrumento para deixar a sua vida ainda mais bela.

Mas, pensando bem, o que é essa tal presença do ‘Eu’? Simples: é quando estamos de posse da nossa vida, não nos dispersando com as ilusões e sabendo exatamente qual é o nosso serviço vocacional, executando isso com dedicação e confiança. É preciso sentir que não precisamos de mais nada porque tudo já nos foi dado, afinal, temos a condição perfeita para fazer da nossa vida aquilo que mais almejamos, realizando cada tarefa com graça e liberdade. 

Não espere que o mundo mude, que a política seja mais honesta, que os filhos sejam mais respeitosos, que os pais sejam mais amáveis... Não espere que nada mude para a sua vida ser feliz. Tudo está certo, não tem nada errado. Assuma integralmente a responsabilidade de ser feliz e saia do papel de vítima. Agora, se algo não está de acordo como você gostaria, só resta uma coisa: você mudar! Por sermos seres em desenvolvimento, acredito que o relacionamento amoroso se encaixa justamente neste ponto, quando duas almas estão dispostas a caminharem juntas e encontrar uma na outra a companhia amorosa para fazer desse percurso, ainda tão desconhecido, uma conquista de evolução. Na viagem misteriosa do amor, cada um encontra o outro, por trás do outro há si mesmo. Todo discurso sobre o amor se torna assim o discurso sobre si mesmo, a confissão mais íntima de si.

Fica claro que o objetivo da vida não é a relação em si, a relação vem como uma ferramenta que poderá facilitar a sua jornada, dar mais graça e intensificar o processo do seu crescimento. Um dos sentidos da existência é potencializar o que temos de bom e alcançar a nossa individuação, ou seja, se tornar um ser inteiro. Mantenha sua ligação na vertical, isso significa você se manter conectado com Deus e abastecido dessa luz, você poderá agir de forma firme na terra. 

Somente dois seres inteiros podem ter um relacionamento autêntico. A relação madura ocorre quando cada um dos envolvidos assume para si a responsabilidade por seu próprio destino e felicidade. O ser autônomo cuida de si e, desta forma, elimina as expectativas irreais lançadas sobre o outro, pois não irá culpar o seu companheiro por aquilo que deseja. Certo grau de dependência é inevitável. O que difere a dependência limitante da dependência madura é que a primeira escraviza e impede o crescimento individual, já a dependência madura compreende que são indivíduos diferenciados e mantém uma relação de cooperação envolvendo equivalência no dar e receber.

O casamento satisfatório é marcado pela dependência madura, pois o cônjuge não é tomado como extensão do outro, mas sim como um indivíduo independente e com ideias e direitos próprios.  A essência do amor não é usar o outro para a nossa felicidade, mas sim servir e encorajar aquele a quem amamos.

Acredito que existam muitos pontos fundamentais que envolvam um relacionamento para se alcançar uma vivência satisfatória e amorosa. Escolhi ressaltar dois valores primordiais para uma relação madura:

1. Respeito: Nunca apontar as fraquezas do outro e torná-lo alvo de riso. Todos tem valor porque são únicos. O que foi desrespeitado causará problemas e ninguém quer problemas, não é mesmo? O resultado é que o respeito que você deu volta para você.

2. Expressar seus sentimentos: Não há casamento, ou união sem conflito. O que ocorre nos relacionamentos satisfatórios é a capacidade dos cônjuges explicitar em palavras suas expectativas, suas satisfações e suas queixas. Uma boa comunicação facilita o convívio e desmistifica muitas suposições inadequadas da situação. Expressar seus sentimentos de uma forma madura, ou seja, sem a intenção de manipular o parceiro para atender suas vontades, mas estar aberto à negociação.

Por fim, espero que você viva a sua individualidade com toda graça e que neste caminho você encontre alguém para dividir suas experiências e fazer da sua jornada uma linda história de amor!

 

Data da publicação no site do Renascimento 17/07/13