O que aprendi no Retiro


"Como faço uma escultura? Simplesmente retiro do bloco de mármore tudo aquilo que não é necessário." (Michelangelo)

 

E foi exatamente isso que fui fazer no retiro: retirar meus excessos, soltar aquilo que não é meu. Ficar comigo mesma.

Sabe aquela sensação de que está fazendo exatamente aquilo que deve fazer? Então, era essa a minha sensação no caminho para lá. Preparei uma bela playlist e fui.

A moça e o rapaz me recepcionaram com um sorriso largo e, ao conferir a lista dos inscritos, ela me disse que meu nome não constava na lista. Olhou novamente e com um olhar doce repetiu a mesma frase "seu nome não consta no nosso sistema".

Tinha certeza de que tudo seria resolvido. E ela acrescentou: "Como você é corajosa, veio mesmo assim".

Durante o dia, tivemos um exercício de buscar a origem do nosso nome. Saber quem o escolheu, por que escolheu e qual o significado do nome.

Olha aí de novo a questão do nome surgindo para mim.

A facilitadora explicou que nós cumprimos o destino do nosso nome. Achei interessante associar o nome com o destino. Disse que, inevitavelmente, vamos cumprir com a influência que o nome exerce sobre nossa vida.

Você sabe o significado do seu nome?

Nós não vamos a lugar algum enquanto não soubermos quem somos. Saber de si, do próprio nome nos ajuda a encontrar o nosso lugar.

Na saída, despedi-me daquelas pessoas incríveis que dedicam suas vidas para ajudar as pessoas, e a mesma moça da recepção, que também conduziu as meditações, no final me deu um abraço carinhoso e disse que faço parte da família deles e repetiu: "Mesmo sem o nome na lista você veio, como é corajosa!"

A minha mensagem do retiro foi sobre a minha identidade, criar a minha identidade. Mesmo sem algo pronto ou nomeado, devo continuar seguindo, escolhendo o que eu quero e o que eu não quero com coragem e indo em direção daquilo que me faz bem. Vou continuar batendo nas portas com a certeza de que elas se abrem.

Sempre está tudo certo! Recebemos mensagens pelo caminho, só cabe a nós fazermos as leituras adequadas.

Durante o retiro aprendi que as ordens do amor são: pertencimento, hierarquia, dar e receber.

Pertencimento - que todos são necessários, o amor não exclui ninguém. O amor não se importa com as diferenças, não dá mínima se é pobre, velho e branco. Separação não interessa para o amor.

Hierarquia- não significa quem veio primeiro, mas sim que cada um ocupe o seu lugar. Um filho não tem como ocupar o lugar dos pais. É preciso aceitar o lugar de cada um.

Dar e receber - precisa estar balanceado para haver o equilíbrio e igualdade entre as pessoas. Muitos acabam dando a mais, no entanto, reside uma  vontade oculta de se sentirem superiores e de prevalecer sua supremacia sobre o outro, mas esse tipo de relação não é próspera e gera peso ao longo da convivência.

Aprendi que o sentimento é muito mais importante e profundo do que explicações racionais.

Aprendi que quando existe amor não há competição, tudo encontra seu lugar com calma e tranquilidade.

Aprendi que é fundamental reservar períodos para estar só. Longe de tudo cria-se um espaço para sentir como está a sua energia.

Aprendi que devemos sempre procurar lugares novos, porque existe muita coisa boa nesse mundão afora!

Bora viver!

Muito amor!

Regiane

www.regianeromero.com.br